Vida de Comunidade

Agostinho decide voltar a Tagaste, para morar com seus amigos, e entregar-se inteiramente ao serviço de Deus por meio da oração e o estudo. A espera faz-se insuportável quando a sua mãe Mónica morre no porto de Óstia Tiberina. À espera da partida Agostinho visita alguns mosteiros de Roma.

Por fim chega a Tagaste. O primeiro que faz é vender os seus bens e distribuí-los entre os mais necessitados e fundar o seu primeiro mosteiro, onde vive em comunidade com os seus amigos.

Nesse mesmo ano de 388 morre o seu filho Adeodato, que vivia com ele.

Passam três anos e Agostinho faz uma viagem a Hipona com a intenção de visitar um amigo que queria entrar no seu mosteiro. Mas será ele quem fica ali quando o povo o proclama sacerdote com a concordância do bispo Valério e ordenado por ele. Agostinho não queria abandonar o seu estilo de vida mas corando aceitou o pedido que lhe fazia a Igreja. No entanto, pediu ao Bispo que lhe deixasse fundar um pequeno mosteiro para poder viver com os irmãos e servir à igreja.

Três anos depois Valério consagra-o bispo auxiliar, com medo de que a sua fama se expandisse ainda mais e o levassem para outra diocese. Após uns anos e depois do falecimento de Valério é sagrado bispo principal da cidade, daí o nome de Agostinho de Hipona.

Agostinho vive em comunidade, tentando seguir o ideal das primeiras comunidades cristãs, na pobreza e na partilha. A comunidade eclesial de Hipona estava formada maioritariamente por pobres. Agostinho fez-se a voz destes pobres, falando por eles na Igreja, indo até as autoridades para interceder por eles e ajudando-os naquilo que podia. Entre as funções que o bispo tinha estava a de administrar os bens da Igreja e repartir o seu benefício entre os pobres, também a de acolher os peregrinos, ser protector dos órfãos e viúvas... Agostinho realiza todas elas como um serviço aos pobres e à Igreja. Também tinha o bispo que exercer a função de juiz, tarefa que desagradava em extremo a Agostinho, mas que também exerceu com objectividade, justiça e caridade.