Fraternidades Agostinianas

As Fraternidades Agostinianas seculares, de grande tradição na Ordem, congregam fiéis de ambos os sexos que, mantendo a sua própria condição laical, querem ser fiéis à vocação cristã inspirando-se na tradição agostiniana. 

 

Querem instaurar a união de corações e tentam formar um grupo que seja uma forma concreta da sua presença activa na Igreja, de viver a espiritualidade agostiniana e de contribuir para a edificação da cidade de Deus no mundo. 

 

Aos que aderem a estas Fraternidades é-lhes dada uma sólida formação teológica, ética e social, juntamente com uma profunda instrução, corroborada pela experiência, na espiritualidade agostiniana. Estas Fraternidades regem-se por Estatutos próprios, aprovados pelo Prior Geral e confirmados pela Sede Apostólica.

 

A constituição de uma Fraternidade é da responsabilidade do Prior Geral, que é quem dá o correspondente decreto. 

 

Para a edificação canónica de uma Fraternidade agostiniana é necessário: 

 

a) Petição escrita por algum Superior Maior da Ordem; 

b) Consentimento do Ordinário do lugar, se não existe na diocese uma comunidade agostiniana canonicamente erigida (CIC 312 § 2); 

c) Aprovação do Prior Geral, que também aprovará, por si mesmo ou por delegação, os Estatutos da Fraternidade. 

 

O que fazer é determinado pelos nossos objectivos: FORMAR um espírito evangélico fomentando valores agostinianos genuínos. 

 

Interioridade: mediante a oração, leitura e meditação da Palavra de Deus e os comentários que Santo Agostinho faz a essa Palavra. 

Amizade: criando vínculos de verdadeira amizade em Cristo mediante reuniões, palestras, convívios. 

Solidariedade e Serviço: A nossa vivência do amor cristão faz-nos ser solidários com todos os homens, especialmente os mais necessitados. Prestando Serviço e colaborando em todas as actividades paroquiais onde estamos vinculados. 

 

ESQUEMA DE REUNIÃO 

 

1. ORAÇÃO. Iniciar sempre a reunião com um tempo de oração. Pode-se começar por orações simples, leitura da Palavra de Deus e um espaço para a reflexão, texto e comentários sobre algum texto de santo Agostinho, liturgia das Horas... 

 

2. ESTUDO OU FORMAÇÃO. O tema é estudado, previamente, por cada membro da Fraternidade. Alguém apresenta o tema segundo a sua óptica pessoal. Dialoga-se. Pode-se convidar especialistas. Tão importante como a fidelidade ao tema fixado, é a flexibilidade para modificá-lo quando haja razões que o justifiquem. 

 

3. REVISÃO DE COMPROMISSOS E PROGRAMAÇÃO. A reunião não deve terminar sem decisões concretas. Decidir quem vai apresentar o tema para o próximo dia, a oração ou celebração por motivo de uma festa ou tempo litúrgico... Pode-se analisar, igualmente, tarefas concretas no âmbito familiar, profissional, paroquial... 

 

Toda a Fraternidade, ou alguns membros, colaboram habitualmente na pastoral diocesana, na Paróquia, no Colégio, num voluntariado de carácter social... O que estamos a fazer e como fazemos? Podemos prestar-nos a outras colaborações com a Igreja local, a Ordem Agostiniana...? 

 

A revisão e avaliação dos compromissos comuns contribuem para promover a co-responsabilidade. 

 

É recomendável que cada Fraternidade tenha uma quota económica fixa. É uma contribuição com diversos objectivos: Partilhar algum dos nossos bens, contar com um fundo comum que pode ter vários destinos (fundo de solidariedade, actividades da Fraternidade, gastos comuns…), material de pertença do grupo. 

 

Actividades: Reuniões semanais de formação. Celebração festiva de aniversários com Eucaristia e merenda da Fraternidade. Convívios nos tempos litúrgicos do Advento e da Quaresma. Exercícios Espirituais anuais. Excursões...

 

Neste momento, existem 5 fraternidades Agostinianas em Portugal: 2 canónicamente erigidas -"Cor Unum" e "Santa Mónica"- e 3 em formação -"Hipona", "Mãe do Bom Conselho" e "Santa Rita"-.