Vida em Comunidade

O amor provém de Deus e nos une a Deus, e é neste processo unificador, quando é ultrapassado o que nos separa e somos transformados para sermos um, até que no final Deus seja tudo em todos.

Por isso, a comunhão de vida que Agostinho nos propõem a semelhança da primitiva comunidade apostólica (Act 2, 42-47), é uma antecipação da união plena e definitiva em Deus, e o próprio caminho para esta união.

Embora esta “santa comunhão de vida” entre os Irmãos seja um dom de Deus, cada um de nós deve tentar aperfeiçoá-la com todas as suas força, até chegar à unidade no amor, que permanecera na cidade celestial, formada por muitas almas: esta cidade “será a perfeição da nossa unidade depois desta peregrinação”. De ela, pois, tentem ser signo as nossas comunidades na terra, tendo presente o modelo da perfeita comunidade da indivisível Trindade.